segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Conceição



Com esse título, é inevitável lembrar da música do Caubi Peixoto. Mas não é este o ponto.
É engraçado como crescemos e passamos uma boa parte de nossas vidas sem nos dar conta de quem realmente são nossos pais, ou melhor sem compreendê-los enquanto as pessoas que eles são. Sem querer me arriscar com minha psicologia barata, mas acredito que isso se deve ao fato de passarmos muito tempo com uma ideia preconcebida de quem eles são. Enfim, são figuras que se encontram completas em nossas mentes, e durante um período considerável os enxergamos como indivíduos sem falhas, verdadeiros arquétipos. Depois os consideramos obsoletos, porque o comportamento “descolado” dos colegas de adolescência se revela muito mais interessante.
Passada essa fase turbulenta de hormônios em agitação e compreensão do mundo (essa última não cessa nunca) passamos a vê-los como são, como pessoas. No entanto, a idéia maternal/ paternal mantém uma barreira que nos impede de ver a totalidade da pessoa por trás daquela figura a quem aprendemos a respeitar. Minha mãe, Conceição Francisca Dias, se encaixa na descrição. Exemplo de luta, ela veio cedo para Belo Horizonte, trabalhou como diarista para garantir o sustento e foi com esse suor que ela conseguiu criar os três filhos. Digna de admiração, com certeza. Eu sempre soube disso, mas ela ainda me surpreende.
Ela, assim como milhares de brasileiros vindos da zona rural, não teve a oportunidade de estudar, as circunstâncias da vida não lhe deixaram escolhas. Entre os três filhos sou o único que ingressou em uma faculdade. São outros tempos, época em que os estudos se tornaram mais acessíveis, mesmo assim sei que pertenço a uma estatística pequena de negros que conseguem alcançar a formação superior, ainda que com uma base escolar deficitária e numa universidade particular (paradoxos dos nossos tempos). 

Certa vez minha mãe, dona de uma sabedoria empírica e um olhar muito mais atento à realidade que muita gente “instruída”, comentou o quanto se realizava através dos meus estudos. E ela não referia-se ao dinheiro que eu poderia vir a ganhar, mas à possibilidade de expressão que ela nunca tivera e eu poderia ter. Ela compreendia muito bem o valor simbólico vindo do conhecimento e me disse o quanto era ruim não poder “dizer” as coisas e participar de determinadas discussões, simplesmente por não saber o que e como dizer. Encerrou a fala enfatizando que estava feliz por eu ter a oportunidade que ela não teve, de intervir, participar...
A cada nova conversa eu aprendia um pouco mais sobre aquela pessoa, de quem eu julgava erroneamente saber tudo, e aprendia mais sobre mim também. Mas de tudo, o mais importante é que, apesar das privações, minha mãe desenvolveu uma visão de mundo humanista, com valores que muita gente só cultiva superficialmente, talvez até para atender a uma exigência social. Ela se ressentia por não ter nos dado mais, e eu a corrijo sempre, porque ela nos deu muito. Teto, educação e as condições para que eu pudesse escolher o caminho que escolhi, além do exemplo e a inspiração para que não desistíssemos diante de qualquer dificuldade, tanto ela quanto minha tia Luzia, minha segunda mãe. Eu não poderia ter sido criado por pessoas melhores.
Mãe sempre tem razão, mas devo discordar, de novo, quando ela diz que não sabia o que e como dizer. Ela e minha tia estão entre as pessoas mais sábias que conheci ao longo da vida. E o valor não está em "como", mas no conteúdo do que é dito. 

2 comentários:

Giselle Campos disse...

Sinceramente nunca li um texo tão sincero e apaixonado,e lendo este texo podemos ter umaideia d onde veio as inumeras Qualidades e defeitos faceis de conviver q fazem parte do seu carater e do Ricardo q conheço mais,mas o gostar é igual.Sucesso hj sempre por que Quem acredita sempre alcança.

Rejane Ayres disse...

♥ Pelo fruto se conhece a árvore ♥